Carros com limitadores de velocidade obrigatório a partir de 2022 na Europa

Like and share

Todos os carros novos serão equipados com limitadores de velocidade a partir de 2022, sob rígidas regras de segurança da UE.

A tecnologia pode responder às mudanças de zona e restringir a velocidade máxima do veículo

As caixas pretas da Assistência Inteligente à Velocidade (ISA) usarão o GPS para determinar qual é o limite de velocidade e, a partir dai, garantirão que o carro não a ultrapasse.

Novos modelos precisarão ter um ISA como padrão dentro de três anos após a aprovação da legislação pela Comissão Européia.

Isso incluirá carros na Grã-Bretanha, mesmo que o Brexit aconteça porque a Agência de Certificação de Veículos do Reino Unido disse que ainda atuara segundo as regras da UE.

O presidente do AA, Edmund King, disse que o melhor limitador de velocidade é o pé direito do motorista, pois ele criticou a proposta de introdução dos sistemas de Assistência Inteligente à Velocidade em todos os carros novos

Mas o presidente do AA, Edmund King, disse que a tecnologia pode tornar os carros menos seguros e que o “melhor limitador de velocidade é o pé direito do piloto” quando usado “para andar na velocidade certa e na situação certa”.

“A velocidade certa é muitas vezes abaixo do limite de velocidade, por exemplo, em uma zona de escola com crianças ao redor, mas com a ISA pode haver uma propenção de ir na velocidade máxima permitida, o que pode não ser apropriado”, disse ele.

Um velocímetro da Ford mostra um ISA em ação, com o limite de velocidade ajustado automaticamente em 40 mph

“Às vezes, andar um pouco acima da velocidade permitida também ajuda a manter a segurança na estrada, por exemplo, ultrapassando um trator em uma estrada rural ou entrando em uma rodovia.”

O projeto de lei inclui uma série de novas medidas de segurança que agora estão sujeitas à aprovação formal do Parlamento Europeu e dos estados membros da UE em setembro.

Os carros terão que ser equipados com sistemas de segurança, como registradores de dados, frenagem de emergência autônoma, assistência de pista, detecção de fadiga do motorista e câmeras ou sensores de reversão.

Todos os novos modelos precisarão de um sistema de bafômetros no carro para motoristas que ja tenham sido condenados por conduzir sob o efeito de alcool no passado.

A Volvo limitará eletronicamente a velocidade máxima de todos os seus veículos a 112 km / h no próximo ano

A tecnologia ISA funciona em conjunto com câmeras de reconhecimento de sinais de trânsito e dados de GPS para determinar o limite de velocidade na estrada em que o veículo está sendo conduzido.

O sistema pode então ajustar automaticamente a velocidade máxima restrita, limitando a potência do motor.

O Conselho Europeu de Segurança dos Transportes (ETSC) solicitou que todos os carros tivessem um interruptor para ligar ou desligar o ISA, embora cada vez que um veículo seja ligado o recurso estará automaticamente ativo.

Ele irá instantaneamente dizer ao motorista para reduzir sua velocidade quando eles estiverem infringindo a lei.

E é improvável que o Brexit salve os motoristas do Reino Unido da chegada desses limitadores, pois a homologação de veículos espelhará a UE

Se o motorista continuar a dirigir acima do limite de velocidade por alguns segundos, o sistema deve soar um alerta por alguns segundos e exibir um aviso visual até que o veículo esteja operando no limite de velocidade ou abaixo dele, disse o conselho de segurança de transporte.
É provável que o conselho pressione para que não haja um interruptor para os limitadores, uma vez que os motoristas se acostumarem com os sistemas

A legislação entrará em vigor a partir de maio de 2022 para modelos que ainda não foram aprovados para produção e maio de 2024 para carros novos atualmente à venda.

O conselho tem pressionado pela introdução da tecnologia de limitação de velocidade, alegando que ajudará a reduzir as mortes na estrada em todo o continente

De acordo com suas estimativas, os limitadores poderão reduzir os acidentes de transito em 30%, economizando  até 25.000 vidas nos primeiros 15 anos de vigência.


Like and share